Mala de maternidade: quando fazer e o que levar?

Na gravidez e à medida que o parto se aproxima, há a necessidade de preparação e começam os preparativos para esse momento e para receber, da melhor forma possível, o bebé. A mala da maternidade faz parte desses preparativos, pensar no que precisamos e queremos levar connosco para o momento do parto e para aqueles dias após o parto que passaremos na maternidade.

Sendo um momento tão importante e aguardado, é natural que exista alguma ansiedade associada e que possamos ter dúvidas e incertezas, existindo uma necessidade de querer ter tudo preparado e sob controlo. A verdade é que não controlamos tudo e que não existem receitas perfeitas ou fórmulas inequívocas para aquilo que deve ser feito, nomeadamente no que diz respeito à mala de maternidade.

Ainda assim, preparar a mala de maternidade e pensar naquilo que nos pode ser útil e que queremos ter connosco pode trazer-nos uma maior sensação de controlo e segurança, pelo que vale a pena, se possível, despendermos uns momentos para pensarmos e prepararmos a mala de maternidade.

Neste artigo, vamos ajudar a pensar sobre os itens que podem ser úteis na mala de maternidade, dando também algumas dicas para o momento de organizar a mala de maternidade.

Quando fazer a mala de maternidade?

Frequentemente há também a dúvida de qual o momento em que a mala de maternidade tem de ser feita, a partir de quando temos de começar a pensar nisso e quando é que é suposto a mala estar pronta.

Como em tudo, não existe necessariamente uma resposta absoluta e universal, uma vez que isto irá variar de caso para caso. Pode haver situações em que a grávida já sabe que existe risco de parto pré-termo, por exemplo, tendo de antecipar os preparativos, e a mala de maternidade tem de ficar feita mais cedo.

De uma forma geral e quando não há situações de exceção, pode recomendar-se a preparação da mala de maternidade a partir das 33 semanas, pelo menos começando a pensar-se naquilo que queremos que faça parte da mala de maternidade, para depois podermos adquirir e organizar o que for necessário com tempo e calma.

Importa lembrar que, mesmo que não haja fatores de risco já identificáveis, há bebés que acabam por nascer mais cedo, sem aviso prévio. Por isso, mais vale prevenir e ir preparando as coisas com algumas semanas de antecedência, se possível.

Claro que esta preparação atempada pode também dar espaço a alterações, ou seja, à medida que as semanas vão passando e que o dia do parto se aproxima, podemos acabar por fazer algumas alterações ou ajustes, tirando ou acrescentando coisas à mala, e está tudo bem. De qualquer forma, termos o essencial já preparado com alguma antecedência pode trazer-nos alguma calma e uma maior sensação de controlo.

O que é preciso levar para a mãe?

Uma parte da mala de maternidade deve ser dedicada aos itens de que a mãe vai precisar. Isto inclui pensar naquilo que queremos ter connosco durante o parto, por exemplo, e que nos pode trazer conforto, e também nos nossos itens habituais, de higiene por exemplo, que iremos precisar durante a estadia na maternidade.

Para a entrada na maternidade e para o parto, alguns itens importantes são:

  • Documentos pessoais e médicos, como o boletim da grávida e exames recentes;
  • Medicamentos habituais;
  • Plano de parto ou plano de nascimento;
  • Gelatina, rebuçados, sumos de frutas ou chás açucarados para consumir durante o trabalho de parto, se necessário. É importante confirmar primeiro com o hospital se é possível levar e consumir estes alimentos;
  • Objetos que possam ajudar a proporcionar maior conforto durante o trabalho de parto, e que irão variar muito de grávida para grávida. Podemos incluir aqui artigos como óleos de massagem, água termal, bola de massagem ou bola de ténis que serve para o mesmo efeito (massajar por exemplo a zona da lombar), óleos essenciais, coluna de som para colocar música…
  • Caso se vá fazer recolha de células estaminais, o kit de recolha das células estaminais.

Para o pós-parto, algumas coisas a pensar para levar:

  • Produtos de higiene, como gel de banho, desodorizante, shampoo e amaciador, escova do cabelo, creme, escova e pasta de dentes, etc. Os produtos que serão colocados no corpo devem ser, preferencialmente, com cheiro neutro, para que o bebé reconheça o cheiro da mãe através do olfato no momento pele-a-pele, o que favorece o processo de amamentação e o bem-estar do recém-nascido;
  • Elásticos para o cabelo;
  • Toalha – verificar com o hospital, pois muitos deles fornecem toalhas. Também pode sentir-se mais confortável a levar a sua;
  • Maquilhagem, caso usemos e seja importante para nós ou faça parte da nossa rotina diária;
  • Chinelos de quarto e chinelos de banho;
  • Luz de presença, que pode ser útil sobretudo durante a noite;
  • Duas a três camisas de dormir com abertura à frente para facilitar a amamentação;
  • Robe;
  • Dois ou três soutiens de amamentação;
  • Cuecas de algodão;
  • Pensos pós-parto / pensos superabsorventes, para absorver o sangramento que vai acontecer após o parto. Em alternativa pode preferir cuecas para incontinência, que podem ser mais confortáveis, se no tamanho ajustado;
  • Bidé ou bisnaga portátil, que irá ajudar a fazer a higiene da zona íntima, uma vez que no hospital normalmente não há bidé e não é prático fazer a higiene no lavatório ou com o chuveiro grande;
  • Pensos frios, que podem ajudar a aliviar a região do períneo no pós-parto;
  • Roupa para o dia de saída / alta hospitalar, que deve ser prática, confortável e sem apertar a zona da barriga;
  • Carregador de telemóvel, de preferência dos compridos, e carregador de outros dispositivos eletrónicos, se levar (por exemplo, tablet ou máquina fotográfica); 
  • Fones;
  • Meias quentes, dependendo da altura do ano, já que pode ter frio e ter os pés quentes traz maior conforto;
  • Saco de roupa suja.

Caso opte por amamentar, há alguns produtos que podem servir de apoio à amamentação e que pode levar na mala de maternidade, tais como:

  • Discos de amamentação;
  • Discos de hidrogel;
  • Creme reparador para os mamilos, à base de lanolina e que não seja necessário retirar para o bebé mamar, ou óleo de coco, que é uma alternativa reparadora e com propriedades antifúngicas;
  • Almofada de amamentação.

O que é preciso levar para o bebé?

Assim que o bebé nasce, também vai precisar de algumas coisas para estar confortável na sua vinda ao mundo! Alguns itens que podem ser importantes:

  • Três a seis mudas de roupa e três bodies interiores, que no inverno devem ser de manga comprida, e no verão devem ser de manga curta. As mudas de roupa ou conjuntos incluem babygrow ou macacão, calças, meias e casaco;
  • Gorro, sendo que para prevenir pode levar um maior e um mais pequeno, já que não sabemos ao certo o tamanho do bebé;
  • Kit de higiene, que geralmente traz lima de cartão, pente, escova, tesoura de pontas redondas, entre outros itens;
  • Uma ou duas fraldas de algodão;
  • Uma manta de algodão;
  • Fraldas descartáveis e pacote de toalhitas, caso o hospital não disponibilize;
  • Saco de roupa suja;
  • Chupeta, caso opte por querer dar ao bebé caso venha a ser necessário;
  • Ovo/cadeira para transporte no carro – não precisa de levar logo, pode ser levado pelo pai ou outra pessoa na altura de saída do hospital.

O que é preciso levar para o pai?

Nalguns casos pode também fazer sentido o pai ou acompanhante levar a sua mala, sobretudo caso o hospital permita ao acompanhante pernoitar. Se for este o caso, é importante o pai ou acompanhante não esquecer:

  • Muda de roupa, sendo que as roupas devem ser confortáveis, pois o acompanhante pode precisar de se movimentar, agachar, etc, para auxiliar a grávida durante o trabalho de parto;
  • Roupa interior;
  • Pijama;
  • Chinelos;
  • Nécessaire com produtos de higiene habituais;
  • Carregador do telemóvel ou máquina fotográfica para registar os momentos;
  • Snacks e moedas para as máquinas de venda rápida ou máquinas de café, já que o trabalho de parto pode ser longo.

Dicas ao preparar a mala de maternidade

Depois de sugerirmos alguns dos principais itens que podem ser importantes incluir na mala de maternidade, importa ainda referirmos algumas dicas que não devem ser esquecidas ao fazer a mala.

Em primeiro lugar, independentemente do que queremos levar na mala e da lista que definimos, é sempre importante conferir com o local onde vamos ter o parto sobre quais são os itens necessários a levar, se podemos levar todas as coisas que temos previstas e também o que é que o próprio local disponibiliza.

Há hospitais, por exemplo, que disponibilizam as fraldas, e outros não. Alguns hospitais também disponibilizam pensos higiénicos e cuecas descartáveis, mas podemos querer levar as nossas, pois o tamanho é standard e pode não ser tão confortável. Termos esta informação de antemão permite-nos gerir melhor aquilo que vamos levar na mala, evitando levar artigos desnecessários ou, pelo contrário, esquecer coisas que vão ser importantes e que o próprio hospital pede.

É importante evitarmos levar objetos necessários e que não são aconselháveis, como brincos, anéis ou pulseiras, bem como artigos de valor.

No que diz respeito à organização da mala, é importante também tentarmos ser o mais pragmáticos possível. Os documentos de saúde, que serão necessários, deverão estar à mão e ser de fácil acesso, por exemplo.

Em relação à roupa do bebé, algumas pessoas preferem separar em saquinhos por dia: um saco com a primeira roupa, outro com a roupa do segundo dia, outro com a roupa do terceiro dia… Obviamente esta é uma dica que vai depender da preferência de cada um, mas que pode facilitar e tirar-nos a pressão de termos que conjugar ou escolher as roupas na hora.

É muito importante garantir, antes de colocar a roupa do bebé na mala, que a lava primeiro e corta todas as etiquetas.

Fazer uma checklist com tudo o que queremos levar pode ser uma dica importante para termos a certeza de que não nos esquecemos de nada. Podemos ter checklists diferentes para as coisas da mãe, as coisas do bebé, as coisas do pai, e ainda itens de amamentação, por exemplo. O mais importante é organizar de acordo com o que temos e com o que faz mais sentido para nós.

Os itens sugeridos para a mala de maternidade geralmente aplicam-se a estadias médias e regulares, que costumam ser de 2 dias para o parto normal e 3 dias para o parto por cesariana. No entanto, por inúmeras razões, por vezes a estadia no hospital pode prolongar-se. Uma estratégia que pode ajudar é deixar em casa coisas organizadas para que, caso a estadia se prolongue, alguém possa ir buscar e colocar facilmente num saco para lhe levar ao hospital.

Em caso de dúvidas ao fazer a mala de maternidade, é sempre uma boa opção conversar com os profissionais de saúde que nos acompanham. É preferível termos informação fidedigna, de confiança e adaptada ao nosso caso, e que nos permita decidir o que se ajusta às nossas necessidades, e assim não acabarmos a comprar e levar coisas muitas vezes desnecessárias. Informação segura e coerente vai sempre ajudar a tomar decisões relativas à logística da estadia na maternidade, e não só.

Deixe um comentário